segunda-feira, 17 de abril de 2017

NASCIMENTO RAPOSO

Foto cedida pelo Neto Ivo Mendes

Malhadas: 1922 - 2002

Mirandês:

Nascimento Raposo naciu an 23 de Dezembre de 1922, na aldé de Malhadas (Miranda de l Douro),

Zde de mui nuobo assumiu tornar-se l gaiteiro de la sue tierra natal. Anque benir dua família sin qualesquiera storial musical, ls sous purmeiros cuntatos culas tradiçones de l praino mirandés acuntecírun durante las fiestas tradecionales de l'aldé.

Al duoze anhos d'eidade, sou pai José Augusto Raposo fizo queston de le cumprar la sue purmeira gaita de foles, gaita essa custruída pul famoso arteson de madeira i torneiro Luciano Afonso, d'alcunha Tiu Fuseiro de Genísio.

La sue aprendizaige, fui a la semelhança de la maiorie de ls gaiteiros de l praino, puls porcessos habituales apreciando i oubindo ls mais bielhos i sperientes gaiteiros. L treino, esse cumo siempre era feito durante ls longos dies de solidon ne l pastoreio. Assi acabarie por trazer l'ousadie suficientes para ir tocar nas fiestas locales i de las aldés mais próssimas.

Nascimento Raposo ampeçou l'atebidade d'arteson de gaita de foles, purmeiro por custruir l sou própio torno mui rudimentar i a la semelhança de l Tiu Fuseiro de Genísio. Na sue arrecadaçon ampeçou a nacer i a tomar formas ls sopretes, ponteiros i roncos. Daprendiu a curtir las piels para ousar cumo foles nas sues gaitas i, mais amportante, custruir palhetas i palhones.

Un de ls sous maiores ourgulhos era las sues palhetas, al Berdadeiro Coraçon de la gaita. Custruir las sues própias palhetas era motibo de nun star dependente de terceiros i l sonido de la sue gaita star al sou gusto.

Nascimento Raposo, gaiteiro de Malhadas, remete-mos pa l'arquétipo de ls eilustres gaiteiros mirandeses i cun ua postura baidosa. Tamien el pertence a un de ls mais amblemáticos gaiteiros de la tradiçon de las Tierras de Miranda.


La malina lebou-lo a falecer an 06 de Márcio de 2002, inda assi la sue mimória permanece an todos quantos l'oubiran i tubírun l'ouportunidade de cul cumbibíren.


******


Português:

Nascimento Raposo nasceu em 23 de Dezembro de 1922, na aldeia de Malhadas (Miranda do Douro),

Desde de muito novo assumiu tornar-se o gaiteiro da sua terra natal. Apesar de vir de uma família sem qualquer historial musical, os seus primeiros contactos com as tradições do planalto mirandês aconteceram durante as festas tradicionais da aldeia.

Ao doze anos de idade, seu pai José Augusto Raposo fez questão de lhe comprar a sua primeira gaita de foles, gaita essa construída pelo famoso artesão de madeira e torneiro Luciano Afonso, de alcunha Tiu Fuseiro de Genísio.

A sua aprendizagem, foi à semelhança da maioria dos gaiteiros do planalto, pelos processos habituais apreciando e ouvindo os mais velhos e experientes gaiteiros. O treino, esse como sempre era feito durante os longos dias de solidão no pastoreio. Assim acabaria por trazer a ousadia suficientes para ir tocar nas festas locais e das aldeias mais próximas.

Nascimento Raposo iniciou a actividade de artesão de gaita de foles, primeiro por construir o seu próprio torno muito rudimentar e à semelhança do Tiu Fuseiro de Genísio. Na sua arrecadação começou a nascer e a tomar formas os sopretes, ponteiros e roncos. Aprendeu a curtir as peles para usar como foles nas suas gaitas e, mais importante, construir palhetas e palhões.

Um dos seus maiores orgulhos era as suas palhetas, O Verdadeiro Coração da gaita. Construir as suas próprias palhetas era motivo de não estar dependente de terceiros e o som da sua gaita estar ao seu gosto.

Nascimento Raposo, gaiteiro de Malhadas, remete-nos para o arquétipo dos ilustres gaiteiros mirandeses e com uma postura vaidosa. Também ele pertence a um dos mais emblemáticos gaiteiros da tradição das Terras de Miranda.



A doença levou-o a falecer em 06 de Março de 2002, no entanto a sua memória permanece em todos quantos o ouviram e tiveram a oportunidade de com ele conviverem.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

MANUEL PAULO MARTINS

Arquivo Sons da Terra.
Vale de Mira: 1922-2007

Mirandês:
Tiu Manuel Felício, l nome cun que todos l conhecian, naciu an Bal de Mira (Miranda de l Douro), ne l die 25 de Janeiro de 1922, adonde siempre residiu até al die de la sue muorte a 17 de Dezembre de 2007.

Ls sous purmeiros cuntatos culas gaitas de foles dórun-se ne l meio de la família, na medida an que sou pai era un tocador de gaita de foles. La sue forma de daprendizaige nun fui fácele, ua beç que l pai faleciu mui nuobo i la bida l tener liebado a custruir la sue purmeira gaita de foles, la qual fui la piedra basilar de l sou treino. Passado esto tubo la suorte de poder ber i scuitar de forma sigilosa ne l meio de las hortas i atrás de las paredes l famoso Mestre Gaiteiro Francisco Martins de Cércio. Nessa época nun aceitaba de buona fé que l´s moços de la tierra quejissen daprender a tocar l strumiento, perfilando-se cumo mais un potencial cuncorrente.
                                                          
Inda assi, quando Manuel Paulo Martins yá se afirmaba a tocar an público, Francisco Martins yá l cumbidaba a tocar cun sue bielha gaita, anformando-lo ironicamente “À Manoel you nun sou antreseiro, tu tocas la gaita i you lhibo al denheiro”.

Manuel Paulo Martins home preacupado siempre cul que cunsidraba ser l sou deber, tocar cumo ls bielhos gaiteiros que tubo l'ouportunidade de coincer.

Causo eisemplar ne l que respeita a la trasmisson de ls sous coincimientos, l qual siempre se manifestou çponible para ansinar i para partilhar todo quanto sabie. Tamien testemunho desso, Gaiteiro/Palheteiro Mirandés Anrique de Jesus Fernandes ne l sou causo de la custruçon dua buona palheta i palhon i noutros subre l modo correto de tocar todos ls spécimes que conhecie.

Manifestou por dibersas bezes algua mágoa cun aqueilhes que se tenien aprossimado quando percisában de saber ó daprender algo cul i nunca mais l bejitórun.

Ten bários registos recolhidos por eilustres pessonas cumo Ernesto Veiga de Oliveira sendo la cápia de la sue obra Strumientos Musicales Populares Pertueses, Domingos Machado nas recolhas an Trás-los-Montes sob ls auspícios de l departamiento de Música Popular de la Westdeutscher Rundfunk, Paulo Preto i Mário Correia de la Sons da Terra  cuntendo numerosos spécimes eiditado nun çco testemunhal.

Passado un período longo i doloroso de la malina, Manuel Paulo Martins faleciu ne l die 17 de Dezembre de 2007. Ne l die seguinte, nua manhana adonde la niebe tenie ampeçado a ambolber cun sou manto branco ls campos de l'aldé i al toque de las Gaitas Mirandesas quando l sou cuorpo çceu a a tierra fui anterpretado l tema Pur ambaixo de la puente, puls gaiteiros Paulo Meirinhos, Miguel Ángelo i Ricardo Gonçalo.

********

Português:
Tiu ManuelFelício, o nome com que todos o conheciam, nasceu em Vale de Mira (Miranda do Douro), no dia 25 de Janeiro de 1922, onde sempre residiu até ao dia da sua morte a 17 de Dezembro de 2007.

Os seus primeiros contactos com as gaitas de foles deram-se no seio da família, na medida em que seu pai era um tocador de gaita de foles. A sua forma de aprendizagem não foi fácil, uma vez que o pai faleceu muito novo e a vida o ter levado a construir a sua primeira gaita de foles, a qual foi a pedra basilar do seu treino. Após isto teve a sorte de poder ver e escutar de forma sigilosa no meio das hortas e atrás das paredes o famoso Mestre Gaiteiro Francisco Martins de Cércio. Nessa época não aceitava de boa fé que jovens da terra quisessem aprender a tocar o instrumento, perfilando-se como mais um potencial concorrente.

No entanto, quando Manuel Martins já se afirmava a tocar em público, Francisco Martins já o convidava a tocar com sua velha gaita, informando-o ironicamente “À Manoel you nun sou antreseiro, tu tocas la gaita i you lhibo al denheiro”.

Manuel Paulo Martins homem preocupado sempre com o que considerava ser o seu dever, tocar como os velhos gaiteiros que teve a oportunidade de conhecer.

Caso exemplar no que respeita à transmissão dos seus conhecimentos, o qual sempre se manifestou disponível para ensinar e para partilhar tudo quanto sabia. Também testemunho disso, Gaiteiro/Palheteiro Mirandês Henrique de Jesus Fernandes no caso da construção de uma boa palheta e palhão e noutros sobre o modo correcto de tocar todos os espécimes que conhecia.

Manifestou por diversas vezes alguma mágoa com aqueles que se tinham aproximado quando precisavam de saber ou aprender alguma coisa com ele e nunca mais o visitaram.


Tem vários registos recolhidos por ilustres pessoas como Ernesto Veiga de Oliveira sendo a capa da sua obra Instrumentos Musicais Populares Portugueses, Domingos Machado nas recolhas em Trás-os-Montes sob os auspícios do departamento de Música Popular da Westdeutscher Rundfunk, Paulo Preto e Mário Correia da Sons da Terra contendo numerosos espécimes editado num disco testemunhal.


Após um periodo longo e doloroso da doença, Manuel Paulo Martins faleceu no dia 17 de Dezembro de 2007. No dia seguinte, numa manhã onde a neve tinha começado a envolver com seu manto branco os campos da aldeia e ao toque das Gaitas de Foles Mirandesas quando o seu corpo desceu à terra foi intrepetado o tema "Pur debaixo de la Puente", pelos gaiteiros Paulo Meirinhos, Miguel Ângelo e Ricardo Gonçalo.


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

MANUEL OLIVEIRA LOPES

Duas Igrejas: 1921 - 1990


Mirandês:
Foto de autor desconhecido. 
Arquivo Sons da Terra.
Manuel Oliveira Lopes, nacido an dues Eigreijas a 20 de Outubre de 1921, faleciu na sue tierra natal a 24 de Abril de 1990. Era l mais bielho de cinco armanos, nunca casou i siempre bibeu de la pastorícia i de la laboura.

La gaita de foles fui feita por el própio durante las longas horas de permanéncia culs ganados nas pastaiges i lameiros. Tamien de sue outoria son las respetibas palhetas i palhones.

Manuel Oulibeira Lopes fura pauliteiro i beilador de l'eilustre rancho folclórico de dues Eigreijas. Inda assi quando l'eilustre Gaiteiro Alexandre Feio, de la Frezniosa, nun podie star persente ne ls ansaios, l Padre Mourinho chamaba siempre l Sr. Manuel para ir tocar ne ls ansaios de l grupo.

Las sues atebidades gaiteiras restringiran-se praticamente a las fiestas an dues Eigreijas.

An dues Eigreijas, ls mais bielhos inda se lembran de l ber tocar cun acumpanhamiento na caixa de guerra de l Sr. Alfredo Bintura (Caçarelhos) i ne l bombo de l Sr Manuel Paulo (S. Pedro de la Silba). Nun era un gaiteiro suberante, sendo mesmo bastante reserbado, mas fúrun muitas las fiestas qu'animou alhá pa ls lados de l Toural ó ne ls terreiros de Nuossa Senhora de l Monte.

Nunca tenendo casado, Manuel Oulibeira Lopes solo nun se tornou mais coincido solo porque an dues Eigreijas pontificaba, ne l grupo de pauliteiros i ne l rancho folclórico, un gaiteiro de a superior i ambulgar ambergadura - Alexandre Feio.


********

Português:
Manuel de Oliveira, nascido em Duas Igrejas a 20 de Outubro de 1921, faleceu na sua terra natal a 24 de Abril de 1990. Era o mais velho de cinco irmãos, nunca casou e sempre viveu da pastorícia e da lavoura.

A gaita de foles foi feita por ele próprio durante as longas horas de permanência com os rebanhos nas pastagens e lameiros. Também de sua autoria são as respectivas palhetas e palhões.

Manuel de Oliveira Lopes fora pauliteiro e bailador do ilustre rancho folclórico de Duas Igrejas. No entanto quando o ilustre Gaiteiro Alexandre Feio, da Freixiosa, não podia estar presente nos ensaios, o Padre Mourinho chamava sempre o Sr. Manuel para ir tocar nos ensaios do grupo.

As suas actividades gaiteiras restringiram-se praticamente às festas em Duas Igrejas.

Foto de António Rodrigues Mourinho 
27 de Dezembro de 1970
Em Duas Igrejas, os mais velhos ainda se lembram de o ver tocar com acompanhamento na caixa de guerra do Sr. Alfredo Ventura (Caçarelhos) e no bombo do Sr Manuel Paulo (S. Pedro da Silva). Não era um gaiteiro exuberante, sendo mesmo bastante reservado, mas foram muitas as festas que animou lá para os lados do Toural ou nos terreiros de Nossa Senhora do Monte.

Nunca tendo casado, Manuel Oliveira Lopes só não se tornou mais conhecido apenas porque em Duas Igrejas pontificava, no grupo de pauliteiros e no rancho folclórico, um gaiteiro da superior e invulgar envergadura - Alexandre Feio. 

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

JOAQUIM ANTÃO

Granja da Silva: 1917
Vimioso: 2009

Mirandês:

Naciu a 17 de Febreiro de 1917 na aldé de la Granja de Silva, pertencente a la freguesie de S. Pedro de la Silba (Miranda de l Douro). Casou an S. Joanico (Bumioso) i ende quedou a residir l resto de la sue bida, acabando por falecer an 2009 nun lar d´idosos na Bila de Bumioso.

L sou pai, l Tiu Zé Antão, fui um popular apreciado Gaiteiro sn Granja de Silba, an pleno coraçon de l Praino Mirandés. Joaquim Antão desde mui cedo fameliarizado culs ambientes spressibos de la música tradecional mirandesa, dedicou grande parte de ls sous tiempos libres a las cousas de la música. fui le legado a la bielha gaita de foles de l pai na qual tenerie sido aquirida pul sou abó por alturas de l´anho de 1930. Naqueilha época era un strumiento berdadeiramente único, d´aspeto mui rudimentar i arcaico mas cun ua particularidade tímbrica, stupenda.


Joaquim Antão era tamien símio na feitura de las palhetas i de ls palhones. L mesmo era frequantamente bejitado por bários gaiteiros de las redondezas para oubtíren nuobas palhetas.


Cunta-se qu´un die, an S. Joanico, Jaoquim Antão an ton poético afirmou:


Se you morrer al ciel Hei-d´ir-me
mas la mie gaita a tocar
i certo yé que ao subir-me
iran ls anjos comigo a beilar...


*******

Português:

Nasceu a 17 de Fevereiro de 1917 na aldeia da Granja de Silva, pertencente à Freguesia de S. Pedro da Silva (Miranda do Douro). Casou em S. Joanico (Vimioso) e aí ficou a residir o resto da sua vida, acabando por falecer em 2009 num lar de idosos na vila de Vimioso.

O seu pai, o Tiu Zé Antão, foi um popular e apreciado Gaiteiro em Granja de Silva, em pleno coração do Planalto Mirandês. Joaquim Antão desde muito cedo familiarizado com os ambientes expressivos da música tradicional mirandesa, dedicou grande parte dos seus tempos livres ás coisas da música. foi lhe legado à velha gaita de foles do pai na qual teria sido adquirida pelo seu avô por alturas do ano de 1830. Naquela época era um instrumento verdadeiramente único, de aspecto muito rudimentas e arcaico mas com uma particularidade timbríca, estupenda.


Joaquim Antão era também exímio na feitura de palhetas e dos palhões. O mesmo era frequantemente visitado por vários gaiteiros das redondezas para obterem novas palhetas.


Conta-se que um dia, em S. Joanico , Joaquim Antão em tom poético afirmou


Se you morrer al ciel Hei-d´ir-me
mas la mie gaita a tocar
i certo yé que ao subir-me
iran ls anjos comigo a beilar...

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

ERNESTO MARTINS LHANO (Tiu Ernesto Bartolo)

Duas Igrejas: 1915-2009

Mirandês:
Foto de Mário Correia (2004)
 Arquivo Sons da Terra
Ernesto Martins Lhano, dezido Tiu Ernesto Bartolo, nacido an dues Eigreijas a 15 de Maio de 1915, ampeçou a tocar gaita de foles quando tenie cerca de binte anhos, yá moço feito, subretodo stimulado por sou pai, Francisco Martins Lhano, qu'era caixeiro. Mas l filho, an termos anstrumentales, nun le seguiu las pisadas. Anque na época nun haber gaiteiro na tierra cul qual podisse aprender, fui durante las longas horas passadas nas pastaiges i lameiros de l Praino Mirandés qu'aperfeiçou l domínio de l strumiento.

Ouserbaçones deste eilustre Gaiteiro Mirandés mostrando la deficuldade de la bida de la época “You tocaba pouco porque era pastor i tenie pouco tiempo para ir a las fiestas. Fui por esso que nunca toquei culs pauliteiros, nun podie ir als ansaios nin a las salidas. Ó tenie d'ir cul ganado pa ls cerrados ó tenie de trabalhar nua ouficina de bicicletas, qu'inda tengo…

Ampeçou a custruir gaitas de foles, usando pa l'eifeito ua simples nabalha típica de la region - a popular Palaçoulo. Custruiu alguas gaitas de foles, nun muitas. Mas todas eilhas fúrun bendidas, anque tener pouca çponibelidade pa la cunfeçon desse mágico strumiento. Custruiu todas las peças ancluindo palhetas i palhones a mano  (esso por nun tener torno), sabendo que quedarian mui melhor.

La gaita de foles que Ernesto Lhano usaba ye d'ourige galega (fabricante de l Lugo). Mas la punteira usual era de bucho, de la sue outoria, çpensando assi l'ouriginal.
Tocou an peditórios, procissones i beiles. Atuou por dibersas bezes an dues Eigreijas, Sendin i alguas tierras de l Cunceilho de Mogadouro.

Ernesto Martines Lhano (Tiu Ernesto Bartolo) faleciu a 07 de Júnio de 2009, an dues Eigreijas, cunceilho de Miranda de l Douro.

********

Português:
Ernesto Martins Lhano, dito Tiu Ernesto Bartolo, nascido em Duas Igrejas a 15 de Maio de 1915, começou a tocar gaita de foles quando tinha cerca de vinte anos, já moço feito, sobretudo estimulado por seu pai, Francisco Martins Lhano, que era caixeiro. Mas o filho, em termos instrumentais, não lhe seguiu as pisadas. Apesar de na época não haver gaiteiro na terra com o qual pudesse aprender, foi durante as longas horas passadas nas pastagens e lameiros do Planalto Mirandês que aperfeiçoou o domínio do instrumento. 
Observações deste ilustre Gaiteiro Mirandês mostrando a dificuldade da vida da época “Eu tocava pouco porque era pastor e tinha pouco tempo para ir às festas. Foi por isso que nunca toquei com os pauliteiros, não podia ir aos ensaios nem às saídas. Ou tinha de ir com o gado para os cerrados ou tinha de trabalhar numa oficina de bicicletas, que ainda tenho…” 

Começou a construir gaitas de foles, usando para o efeito uma simples navalha típica da região - a popular Palaçoulo. Construiu algumas gaitas de foles, não muitas. Mas todas elas foram vendidas, apesar de ter pouca disponibilidade para a confecção desse mágico instrumento. Construiu todas as peças incluindo palhetas e palhões à mão  (isso por não ter torno), sabendo que ficariam muito melhor. 

A gaita de foles que Ernesto Lhano usava é de origem galega (fabricante do Lugo). Mas a ponteira usual era de bucho, da sua autoria, dispensando assim a original. 
Tocou em peditórios, procissões e bailes. Actuou por diversas vezes em Duas Igrejas, Sendim e algumas terras do Concelho de Mogadouro. 

Ernesto Martins Lhano (Tiu Ernesto Bartolo) faleceu a 07 de Junho de 2009, em Duas Igrejas, concelho de Miranda do Douro.

domingo, 25 de novembro de 2012

ALEXANDRE AUGUSTO FEIO



Freixiosa: 1914
Freixiosa: 1999

Mirandês:
Alexandre Augusto Feio naciu na aldé de Freixenosa, ua aneixa de la freguesie de Bila Chana de Braciosa (Miranda de l Douro) a 21 de Agosto de 1914. Dedicou-se toda la bida a la pastorícia i al trabalho árduo de l'agricultura.

Foto de Zeca Meirinhos (detalhe).
Arquivo Sons da Terra
Als quinze anhos d'eidade l'antresse pula gaita de foles ganhou fuorça, tenendo grande çponibelidade nua daprendizaige regular proporcionada pul tiempo passado cul ganado, usando pa l'eifeito ua punteira cumprada al Tiu “Fuseiro” (Luciano Fonso) de Genísio. Essa punteira ye cunsidrada ua refréncia ne l quadro tímbrico de las gaitas de foles tocadas nas Tierras de Miranda. L'eilustre mestre Gaiteiro tornou-se assi nun stilo anconfundible qu'assenta naquel timbre abeludado que ne ls permite la sue eidantificaçon eimediata antre todos ls restantes gaiteiros de las Tierras de Miranda de la época.

L sou treino árduo i antensibo an modos arcaicos i ornamientos sóticos debe-se al fato de ls gaiteiros mais bielhos nun ansináren l que sabien, ls quales nun bian cun “buns uolhos” ls daprendizes.

Alexandre Feio pudo oubir i ber cumo tocában ls mais bielhos gaiteiros, antre ls quales se çtacou Mestre Gaiteiro Manuel José Lopes ó tan eilustre cumo popular Tiu Pepe.

Padre António Marie Mourinho fui detreminante na bida musical de Alexandre Feio pula sue açon zambolbida ne l fascínio de a mimória biba de la tradiçon oural mirandesa i culturalmente preacupado cula permanéncia spressiba i anraizada de la sue eidantidade.

Faleciu ne l demingo de Galhos de 1999 a 28 de Márcio. Para todos ls que percuran cuntribuir pa la defesa, dibulgaçon i balorizaçon de las tradiçones musicales mirandesas, ua berdadeira refréncia permanece ne l tiempo sendo cumo un de ls mais spressibos i amblemáticos gaiteiros mirandeses.



********

Português:
Alexandre Augusto Feio nasceu na aldeia de Freixiosa, uma anexa da freguesia de Vila Chã de Braciosa (Miranda do Douro) a 21 de Agosto de 1914. Dedicou-se a vida toda à pastorícia e ao trabalho árduo da agricultura.

Aos quinze anos de idade o interesse pela gaita de foles ganhou força, tendo grande disponibilidade numa aprendizagem regular proporcionada pelo tempo passado com o gado, usando para o efeito uma ponteira comprada ao Tiu “Fuseiro” (Luciano Afonso) de Genísio. Essa ponteira é considerada uma referência no quadro tímbrico das gaitas de foles tocadas nas Terras de Miranda. O ilustre mestre Gaiteiro tornou-se assim num estilo inconfundível que assenta naquele timbre aveludado que nos permite a sua identificação imediata entre todos os restantes gaiteiros das Terras de Miranda da época.

O seu treino árduo e intensivo em modos arcaicos e ornamentos exóticos deve-se ao facto de os gaiteiros mais velhos não ensinarem o que sabiam, os quais não viam com “bons olhos” os aprendizes.

Alexandre Feio pôde ouvir e ver como tocavam os mais velhos gaiteiros, entre os quais se destacou Mestre Gaiteiro Manuel José Lopes ou tão ilustre como popular Tiu Pepe.

Padre António Maria Mourinho foi determinante na vida musical de Alexandre Feio pela sua acção desenvolvida no fascínio da memória viva da tradição oral mirandesa e culturalmente preocupado com a permanência expressiva e enraizada da sua identidade.

Faleceu no domingo de Ramos de 1999 a 28 de Março. Para todos os que procuram contribuir para a defesa, divulgação e valorização das tradições musicais mirandesas, uma verdadeira referência permanece no tempo sendo como um dos mais expressivos e emblemáticos gaiteiros mirandeses. 

terça-feira, 17 de julho de 2012

PAULINO PEREIRA JOÃO



Malhadas: 1912
Póvoa: 1999

Mirandês:
Paulino Pereira João naciu an 12 de Janeiro de 1926 an Malhadas (Miranda de l Douro), tenendo seguido las pisadas de sou pai ne ls campos i cerrados de pastoreio.

Foto de autor desconhecido.
Arquivo Sons da Terra.
Paulino Pereira João aprendiu a tocar fraita pastoril “fraita mirandesa” strumiento de trés ourifícios, cun sou pai i rebelou capacidades quaije inatas ne l decurso de la daprendizaige i al fin de cerca dun anho yá dominaba praticamente to l repertório tradecional de la fraita pastoril. Lougo seguiu-se la gaita de foles, tenendo aporfilhado cumo modelo de gaiteiro Tiu Isaac Jacob, un cabreiro de dues Eigreijas. L'ambiçon de daprender solo çcansou quando cunseguiu cumprar ua punteira a un carpinteiro de Genísio que tamien fazie fusos, Luciano Fonso, dezido Tiu Fuseiro, home que custruía fraitas i gaitas ambora nun las tocasse.

An 1942 eimigrou para Angola cun sue família, por alhá quedou cerca de trinta anhos. Por coincidéncia naqueilha antiga quelónia pertuesa ancontrában-se muitos mirandeses adonde fondou trés grupos de pauliteiros. Passado l 25 de Abril de 1974, Paulino Pereira João i la sue família assumiran la cundiçon de retornados, i regressou a las sues ouriges, quedando anton a residir na Póboa. Tenie deixado de tocar la gaita habie yá alguns anhos mas quando regressou boltou a tocá-la. An 1989 deixou outra beç de tocar la gaita de foles debido a la muorte trágica de la sue filha.
Paulino Pereira João faleciu a 20 de Janeiro de 1999 na Póboa, cunceilho de Miranda de l Douro.


********


Português:
Paulino Pereira João nasceu em 12 de Janeiro de 1926 em Malhadas (Miranda do Douro), tendo seguido as pisadas de seu pai nos campos e cerrados de pastoreio.

Paulino Pereira João aprendeu a tocar flauta pastoril “fraita mirandesa” instrumento de três orifícios, com seu pai e revelou capacidades quase inatas no decurso da aprendizagem e ao fim de cerca de um ano já dominava praticamente todo o repertório tradicional da flauta pastoril. Logo seguiu-se a gaita de foles, tendo adoptado como modelo de gaiteiro Tiu Isaac Jacob, um cabreiro de Duas Igrejas. A ambição de aprender só descansou quando conseguiu comprar uma ponteira a um carpinteiro de Genísio que também fazia fusos, Luciano Afonso, dito Tiu Fuseiro, homem que construía flautas e gaitas embora não as tocasse.

Em 1942 emigrou para Angola com sua família, por lá ficou cerca de trinta anos. Por coincidência naquela antiga colónia portuguesa encontravam-se muitos mirandeses onde fundou três grupos de pauliteiros. Após o 25 de Abril de 1974, Paulino Pereira João e a sua família assumiram a condição de retornados, e regressou às suas origens, ficando então a residir na Póvoa. Tinha deixado de tocar a gaita havia já alguns anos mas quando regressou voltou a tocá-la. Em 1989 deixou novamente de tocar a gaita de foles devido à morte trágica da sua filha.
Paulino Pereira João faleceu a 20 de Janeiro de 1999 na Póvoa, concelho de Miranda do Douro.